Uma boa encenação para a história de Olga Benário Prestes

olga

Na tarde do último domingo, 8 de dezembro, a Sala Carlos Carvalho, da Casa de Cultura Mario Quintana, recebeu o espetáculo Olga, protagonizado pela atriz Edelweiss Ramos e dirigido por Luana Serrão, do grupo ArtisticaMente (Canela). Integrante do 4º Festival Estadual de Teatro do Rio Grande do Sul (FESTE), Olga encerrou o evento com um teatro lotado. Antes de sua participação no FESTE, a montagem percorreu outras cidades, sendo premiada nos festivais de que participou.

A montagem proposta por Edelweiss dura pouco mais de quarenta minutos e retrata o período em que Olga Gutmann Benário Prestes esteve presa nos campos de concentração nazistas, na Alemanha, até o momento de sua morte, aos 34 anos, em 23 de abril de 1942. Edelweiss empresta seu potencial de atriz à personagem em um cenário simples, que reproduz, com arame farpado, os limites de um campo de concentração. Ali, naquele pequeno espaço, caracterizada com o conhecido pijama de listras verticais usado pelos prisioneiros nos campos de concentração, ela atua; tem o apoio da iluminação, que contribui para criar a atmosfera necessária para o clima que se instaura a partir da dramaturgia. Edelweiss está sentada no chão, separando e juntando farelos de pão. Discursos nazistas, em alemão, cortam o ambiente. Depois, o barulho da partida e da chegada dos trens que transportavam os prisioneiros.

Embora em dois momentos Edelweiss tenha derrapado no texto, ela está inteira na cena. Sua atuação nos faz pensar nas dificuldades encontradas por atores e atrizes que optam pelos monólogos, muitas vezes escorregando em erros que comprometem o resultado de seus trabalhos. Diria até que o maior dos erros é a opção pelo espetáculo solo mais pela necessidade de alimentar o ego do que pela vocação artística. O que não me parece ser o caso de Edelweiss, uma atriz que busca o aperfeiçoamento, tendo inclusive participado de residência artística com Eugênio Barba e Julia Varley (respectivamente, diretor e atriz do Odin Teatret, da Dinamarca).

Em clima de comoção, a Olga de Edelweiss interage com o público, a quem pergunta: “Vocês sabem o que é nazismo?”. No texto, a ideia de que Olga lutou pelo justo e pelo melhor do mundo. Boa parte da história de Olga está em cena, inclusive a separação de sua filha, Anita, quando esta só tinha um ano de vida, o que a levou a perder a vontade de falar e de se movimentar. Embora Anita não tenha sido morta pelos nazistas – foi criada pela avó paterna, Leocádia, mãe de Luís Carlos Prestes –, para o público que desconhece a história de Olga e de Prestes, não fica claro na montagem de Edelweiss como a menina Anita veio parar no Brasil, fato que só ocorreu graças a uma intensa campanha mundial de solidariedade (sugiro a leitura da biografia de Olga, escrita por Fernando Morais). Para além das questões antissemitas, a pergunta que fica é: até quando tiranos vão ficar no comando matando seus opositores? Lembrando que a tirania dos governantes encontra muitas formas de matá-los.

Quando a morte não chegava pelo fuzilamento ou pelas câmaras de gás, Edelweiss mostra no palco a intenção dos nazistas de enlouquecerem os prisioneiros e as prisioneiras com todo tipo de tortura. Quando foi transferida para o campo de concentração de Ravensbrück, um lugar que cheirava a fezes e a urina, como deveriam ser todos os outros locais iguais a este, Olga ficou responsável pelo bloco, onde impôs uma mudança na rotina das prisioneiras, demonstrando sua capacidade de liderança, não sucumbindo ao drama, permanecendo firme e forte: “Enquanto estiver aqui, nenhuma de vocês será denunciada à SS. Vão aprender a se proteger e vão tomar banhos diários”. Olga tentava fazer as mulheres sobreviverem, porque para muitas a morte era a solução, o fim de um martírio. Os nazistas tentavam tirar a dignidade dos(as) prisioneiros(as) até na hora da morte. A rotina nos campos era acordar, trabalhar (trabalhos pesados e forçados), tomar sopa e dormir.

Outro fato apresentado pela Olga de Edelweiss foram os terríveis experimentos feitos pelos médicos nazistas, mais especificamente por um grupo de médicos ortopedistas (eram diversas as especialidades médicas usadas pelos nazistas para cometerem suas atrocidades), que davam injeções nas coxas das mulheres, após as quais feridas se formavam, deixando-as em estado de enfermidade extrema, o que levava à eliminação das vítimas. Transplantes diversos eram feitos. Pernas eram arrancadas, clavículas transplantadas. As monstruosidades não chegavam nunca ao seu limite.

Quando uma nova sala, grande e branca, foi apresentada às prisioneiras, pensaram que era uma sala de banho. Estavam enganadas. Era a câmara de gás. Várias mortes de uma só vez. Todos os dias, centenas, milhares de prisioneiros e prisioneiras eram levados(as) ao meio do campo, seus nomes eram ditos em ordem alfabética num alto-falante. Tinham trinta minutos antes da partida. Trinta minutos para escrever uma última carta, porque sabiam que chegara a hora de sua morte: “Querido Carlos, preciso despedir-me agora porque vou precisar de toda a minha força e minha coragem. Por isso me despeço agora. Amo-os a ambos, tanto, tanto. Beijos, Olga. Minha filha, cuide de seu pai e obedeça sua vó. Seja livre”.

A cena final mostra Olga morrendo asfixiada na câmara de gás e resume o potencial da atriz e do espetáculo. Pela sua intensidade em cena, pela história de Olga Benário Prestes, pela força emotiva e pela reflexão que o espetáculo provoca, e para que histórias como a dela não se repitam, desejo vida longa a Olga. Que ganhe os palcos de outros teatros.

Pelo segundo ano consecutivo, à convite dos organizadores do Festival Estadual de Teatro do Rio Grande do Sul (FESTE), fui um dos críticos convidados a comentar os espetáculos do FESTE, em 2019 na sua quarta edição. Esta crítica foi originalmente publicada no Bolgue oficial do evento: https://festecriticaccmq.blogspot.com/

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s