Cultura: a acertada escolha de Eduardo Leite

bia araújo

No último sábado, 15 de dezembro, o governador eleito, Eduardo Leite, anunciou o nome de Beatriz Araújo para a Secretaria da Cultura, pasta que volta a ter estrutura própria, desmembrando-se do Turismo, Esporte e Lazer. Leite acerta duas vezes: primeiro, reconhecendo e dando à Cultura o status e o valor que lhe são merecidos; segundo, chamando Beatriz para encarar o desafio de compor o seu governo.

Conheço Beatriz Araújo desde 2004, quando com ela trabalhei na realização do projeto Jardim Lutzenberger. Na época, Bia (como é chamada pelos mais próximos) foi imprescindível para a aprovação do projeto junto às Leis de Incentivo à Cultura e para a posterior captação de recursos e sua viabilização, o que nos possibilitou não somente a implantação do espaço dedicado ao ecologista gaúcho, localizado no terraço do quinto andar da Casa de Cultura Mario Quintana, como também a realização de um espetáculo teatral que ficou um ano em cartaz no Teatro Bruno Kiefer (entre 2005 e 2006), beneficiando 21 mil crianças das escolas públicas municipais e estaduais de Porto Alegre e região metropolitana com a gratuidade do ingresso.

A futura Secretária da Cultura do Rio Grande do Sul tem uma história de mais de três décadas dedicadas às diversas manifestações culturais. À frente de importantes projetos, foi responsável pelo Natal Luz, em Gramado, viabilizou importantes publicações de autores gaúchos, espetáculos do Grupo Tholl, dos irmãos Kleiton e Kledir, produziu a grande exposição em homenagem à Simões Lopes Neto, que aconteceu no Santander Cultural, e também a última Bienal do Mercosul. Além disso, é responsável pela restauração de inúmeros prédios que compõem o Patrimônio Histórico e Cultural do Sul do Estado, com destaque para a Bibliotheca Pública Pelotense e para o Museu Histórico Farroupilha, em Piratini.

Com um currículo que vai muito além dos projetos citados acima e do reconhecimento de sua passagem pela Secretaria da Cultura de Pelotas, com importantes conquistas para o município, a nomeação de Beatriz Araújo é um indicativo da sensibilidade do futuro governador e mostra que o mesmo está disposto a tratar a área com a atenção que realmente merece. Mulher de cultura e da cultura, sensível às dificuldades da classe e do que por ela precisa ser feito, Beatriz não aceitaria o convite para fazer figuração, sem as garantias necessárias para representar os interesses de artistas e agentes culturais, que nela encontrarão uma aliada disposta ao diálogo e com capacidade técnica para encontrar soluções e atender as demandas da pasta.

Artigo publicado na página 2 do jornal Correio do Povo, Porto Alegre, 21 de dezembro de 2018.

Beatriz Araújo

Reprodução Facebook

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s