Os exemplos de uma cidade

Há dias acompanho pela imprensa a manifestação dos leitores e as reportagens que tratam do acúmulo de lixo pela cidade. As ruas estão imundas e o caos instalou-se de vez pelos bairros de Porto Alegre. Como morador do Centro Histórico, tendo hospedado jovens que vieram de outros estados para prestar o vestibular da UFRGS, confesso que me envergonhei com essa triste situação. Não tive muito que falar aos meus visitantes a esse respeito. Como e o que argumentar quando o problema é latente e salta aos olhos? Quero apenas sugerir que intensifiquem a fiscalização nas imediações da Rua dos Andradas, com possíveis penalidades aos restaurantes e demais estabelecimentos comerciais da região, onde todos os dias o lixo se acumula pelas calçadas. Ocorre que o lixo orgânico é mal acondicionado, o líquido gorduroso vaza dos sacos plásticos, emporcalhando toda a calçada, e, não raras vezes, até a rua. Depois do recolhimento dos resíduos por parte do órgão responsável, esse líquido fica exposto, sem qualquer preocupação de limpeza por parte dos estabelecimentos. Fica secando e provocando um mau cheiro que se prolonga nestes dias quentes de verão. E quando há a limpeza, é mal feita. A questão, no entanto, não se resume apenas no acondicionamento correto do lixo e limpeza do local, a pergunta que faço é: estes restaurantes estão dando o destino final correto às sobras de alimentos?

Outro problema são as praças do Centro Histórico. As obras na Praça da Alfândega, ao que me parece, entraram em período de recesso. Ainda em novembro acompanhei no Correio do Povo, no espaço destinado aos leitores, algumas manifestações de moradores que reclamavam da sujeira, do abandono e do tráfico de drogas na Praça Brigadeiro Sampaio, de dia e também à noite. No dia posterior a essas manifestações, estive no local: uma beleza de se ver, mutirão da empresa contratada para a limpeza, podas, e soldados da brigada militar interpelando os marginais. Tudo muito bonito, como deveria ser sempre. Voltem hoje lá para ver como está…

Não tenho por hábito manifestar-me sobre esses assuntos neste espaço, porém, me vi impelido a fazê-lo, visto que já me dirigi, sem êxito nos resultados, aos órgãos competentes, solicitando inclusive o apoio de dois vereadores, sempre tão solícitos, de partidos e vertentes políticas distintas, diga-se de passagem. Meu objetivo não é fazer uma crítica pública ao não funcionamento de certas instâncias. O objetivo maior é chamar atenção para os problemas que precisam ser resolvidos, afinal, são exemplos de nossa cidade que os visitantes levam daqui. Neste sentido, é preciso parabenizar algumas iniciativas, como as do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico Cultural (COMPAHC), que muito tem feito para mudar a cara e o conceito do Centro Histórico de Porto Alegre.

Publicado no Correio do Povo, de Porto Alegre, página 2, edição 13/01/2011.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s