Educação Ambiental e Permacultura

Rincão Gaia - Refúgio Ecológico idealizado por José Lutzenberger

Desenvolvido pela educadora ambiental Beatriz Osório Stumpf, o Programa de Educação Ambiental “Permaculturando na Escola” estimula a integração da comunidade escolar em um processo que abrange a transformação da área da escola, acompanhada por mudanças de valores e hábitos, ações sócio-ambientais coletivas, campanhas de difusão de práticas ecológicas e formação de multiplicadores. A abordagem educativa trabalha em direção a uma maior conexão com o mundo visto como um sistema vivo; a aprendizagem dos princípios ecológicos que regem a vida, como interdependência, diversidade, reciclagem e flexibilidade; e a aplicação destes princípios nas atividades humanas, através da permacultura. A Permacultura envolve o planejamento, a implantação e a manutenção de sistemas humanos fundamentados no funcionamento dos ecossistemas naturais, de modo a satisfazer as necessidades humanas de forma mais efetiva e sem impactos ambientais negativos, aproveitando melhor os espaços, materiais e energias do local.

Com a execução de um Design Permacultural, o pátio de uma escola pode se tornar um instrumento de aprendizagem, com o uso de elementos diversos e criativos, como salas de aula ao ar livre, recantos interativos e jardins produtivos, que podem contribuir para a integração social, o desenvolvimento cognitivo e emocional e o enriquecimento da merenda escolar. A metodologia utilizada neste programa abrange o uso de elementos diversificados, como métodos participativos, oficinas, mutirões, vivências de sensibilização, dinâmicas de grupo e atividades artísticas. Nesta proposta pedagógica, a formação e a aprendizagem do aluno são estimuladas pela pesquisa e mudança da própria realidade, através da mobilização de potenciais para a transformação positiva de situações de vida. O processo de ensino aprendizagem dos conteúdos curriculares ocorre de uma forma prática, dinâmica e fundamentada na realidade local, tendo como eixo central a ética de uma visão ecológica que abrange a relação de cada indivíduo consigo mesmo, com as outras pessoas e com o ambiente como um todo.

Segundo Beatriz Stumpf, a Educação Ambiental precisa ser percebida, não como uma atividade extra, desconectada do cotidiano escolar, mas sim como o próprio coração da escola, um tipo de cola que favorece a integração da comunidade escolar em um objetivo comum, com benefícios para todos. O processo educativo ambiental não pode continuar sendo visto como algo que vai trazer mais trabalho ou dificuldades, mas sim como um potencial gerador de mais alegria, dinamismo, criatividade e afetividade, que contribui para resolução de outros problemas, como as dificuldades de aprendizagem, as questões comportamentais, a violência, o bulling.

Artigo publicado no Correio do Povo, de Porto Alegre, em 20 de agosto de 2010.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s