Dona Eva

Eva Sopher completou 85 anos de vida no dia 18 de junho. A data foi comemorada com o lançamento do documentário Dona Eva e o Theatro, que teve sessão especial para os convidados que lotaram a platéia e as galerias do São Pedro. Na última quarta-feira, 06 de agosto, as portas do Theatro se abriram para mais uma exibição do filme, produzido e dirigido por Cláudia Dreyer. Com apenas um quilo de alimento não perecível, o público poderia se emocionar com a trajetória da imigrante alemã que, aos 52 anos, assumiu a direção daquele que voltaria a ser um dos mais belos e respeitados teatros do Brasil. Estive nas duas sessões, no dia 18 de junho e na última quarta-feira, quando, chegando às 19:30, pensei encontrar longas filas, já que o Teatro abriria às 19 horas para uma projeção que teve início às 20. Para minha surpresa, a platéia somava 51 espectadores. Prova cabal de que nem sempre o apoio da imprensa sensibiliza ou suscita o interesse da população. Pois digo eu: não sabem os portoalegrenses o que perderam.

O filme conta a história da menina que ainda na Alemanha pedia de presente de Natal ao pai que a levasse ao teatro. Na platéia, Eva fechava seus olhos e os abria novamente quando as cortinas se erguiam. Muitos anos depois, em 1975, já no Sul do Brasil, em Porto Alegre, com o apoio irrestrito do marido, Wolfgang Klaus Sopher, Eva assume a direção do Theatro São Pedro a convite do então governador Synval Guazelli. De lá para cá sua história se confunde com a do São Pedro e, como alguém já disse, Eva é a espinha dorsal do Teatro. Incansável na sua luta, colheu mais amigos que desafetos. Como lembram Natália Thimberg e Gerald Thomas, a maior ameaça foi quando certo governador tentou tirar Dona Eva da direção da casa, ou melhor, tirar nosso teatro da inquestionável condução de suas mãos. A “Doce Fera”, como a designou seu biógrafo, Antônio Hohlfeldt, foi então trancafiada no teatro por amigos e artistas que ficaram do lado de fora. De mãos dadas, abraçaram o São Pedro, ao mesmo tempo em que gritavam por sua permanência. Eva ultrapassou governos e, sem tomar partido político, se mantém em sua direção desde que o São Pedro foi reinaugurado, em 1984, quando Fernanda Montenegro declarou: “…O São Pedro é parte fundamental da memória cultural do Brasil e sua recuperação nos perpetua…”. Mas, talvez o carioca Paulo Gracindo tenha expressado da forma mais eloqüente o sentimento de gratidão dos gaúchos: “Eva: Quem a boca do meu filho beija – a minha adoça – diz o ditado da minha terra – por isso, o que você fez pelo mais lindo teatro do Brasil tira do meu coração a maior explosão de ternura que eu já senti por uma mulher”.

Publicado no Correio do Povo em 12 de agosto de 2008.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s