Tempos Edênicos e Epidêmicos

Foram-se os tempos edênicos onde vivíamos em perfeita concordância com os princípios ecológicos e usufruíamos da abundância do Planeta Terra sem maiores preocupações. Dotados de desejos, sentimos a necessidade de desenvolver os recursos com os quais nos deparamos e nos tornamos motivados cada vez mais a explorá-los desenfreadamente. Com isso, buscamos novas terras e nos estabelecemos em todas as regiões do mundo, criando novas culturas e civilizações. Como resultado desse acontecimento, aqueles que foram mais hábeis em promover o desenvolvimento material começaram a dominar os demais. À medida que a civilização material avançou, surgiram disputas e conflitos entre diferentes grupos e os seres humanos tornaram-se cada vez mais egocêntricos.

Na metade final do séc. XVIII, com o advento da Revolução Industrial, a humanidade teve um rápido progresso material. Utilizando combustível fóssil, fizemos brotar uma era de mecanização sem precedentes. Nossa atual visão materialista têm levado à devastação da Natureza, causando incontáveis desastres que representam uma ameaça constante as nossas vidas. O aumento das temperaturas está fazendo com que as geleiras dos pólos derretam e que o nível dos oceanos se eleve. Os países baixos estão alarmados com a possibilidade de desaparecerem no mar. As estações estão fora de compasso e estamos testemunhando cada vez mais desastres relacionados com o clima. Fenômenos como tornados e tufões vêm acontecendo cada vez com mais frequência. Na verdade, dos dez tufões que atingiram o Japão no ano passado, um registrou ventos de 60 metros por segundo e outro registrou ventos de 67,6 metros por segundo. Diz-se que os ventos de 60 metros por segundo são equivalentes à pressão que sentiríamos se puséssemos nosso rosto para fora da janela de um trem-bala viajando a 250 km por hora. Agora, o Katrina, nos Estados Unidos, destruiu Nova Orleans inteira, deixando milhares de desabrigados e centenas de vítimas fatais.

Enquanto ministros de estado, presidentes e lideranças políticas em geral desconhecerem ou ignorarem os princípios que regem a Natureza, sua capacidade de ajudar as pessoas menos afortunadas da sociedade continuará sendo limitada, e sua falta de atenção para os assuntos ecológicos, involuntariamente, conduzir-nos-á cada vez mais numa direção equivocada.

(Artigo também publicado no jornal Correio do Povo do dia 13/09/2005)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s